Quanto se deve oferecer de dízimo?

Deve-se ofertar a Deus o que mandar o nosso coração e o que a nossa consciência falar. O Apóstolo Paulo assim escreve: Dê cada um conforme o impulso de seu coração, sem tristeza nem constrangimento. Deus ama a quem dá com alegria (2 Cor 9,7). Os israelitas davam dez por cento do que colhiam da terra e do trabalho. Daí vem a palavra dízimo, que significa décima parte, dez por cento daquilo que se ganha. Veja como Deus é bom. Ele dá-lhe tudo. Deixa nove partes para você fazer o que precisar e quiser, e pede retorno de somente uma parte. Assim, todos somos convidados a ofertar de fato a décima parte. Mas é importante perceber o seguinte: dízimo não é esmola, nem sobra, nem migalha, pois Deus de nada precisa. Ele quer nossa gratidão. Ele quer que demos com alegria,  reconhecimento e liberdade. O que se dá com alegria faz bem àquele que dá e àquele que recebe.

Deus quer que ofertemos o dízimo com alegria e liberdade. Embora a palavra dízimo tenha o significado de décima parte, ou dez por cento, cada pessoa deve livremente definir, segundo os impulsos de seu coração, sem tristeza e nem constrangimento, qual seja o percentual de seus ganhos que deve destinar ao dízimo a ser entregue para a sua comunidade. No entanto, a experiência tem comprovado que aqueles que, num passo de confiança nas promessas divinas, optaram pelo dízimo integral, isto é, pela oferta de 10% de tudo que ganham, não se arrependeram de tê-lo feito e nem sentiram falta em seus orçamentos. Ao contrário, sentem-se mais abençoados que antes, quando suas contribuições eram proporcionalmente menores. Há muitos dizimistas que dão este testemunho: quanto mais se oferece de dízimo, mais se ganha, pois, o dízimo é um ato de fé em Deus, que não deixa na mão os que nele confiam. De qualquer modo, cada dizimista deve sentir-se livre diante de Deus para fixar o percentual de sua contribuição. O dizimista não deve preocupar-se com o que sai de seu bolso (se muito ou pouco dinheiro), mas o que sai de seu coração (se pouco ou muito amor a Deus e à comunidade).

Postagens relacionadas

Certamente muitos já observaram uma larga mudança do comportamento jovem. Encontramos um percentual grande de jovens, “na casa dos trinta anos”, que ainda vivem dependentes dos pais. Na verdade, eles não dependem, mas, talvez, não atinaram para a importâ

Ver completo

A primeira vez que aparece a palavra Dízimo na Bíblia é mais ou menos pelo ano 1800 antes de Jesus nascer. Deus escolhe um homem de nome Abraão e sua mulher Sara, para deste casal começar a preparar um povo mais unido entre si e com Deus. Abraão aceitou o co

Ver completo

Para ofertar o dízimo, certamente não precisaremos pedir em troca céus e terra. São Paulo ensina: “Sabemos que tudo contribui para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu desígnio” (Rm 8,28). Quando somos promotore

Ver completo

Vivemos numa sociedade em que o dinheiro e o lucro ocupam o lugar de Deus e das pessoas. Jesus Cristo adverte-nos que é impossível servir a dois senhores, adorando ao mesmo tempo a Deus e ao dinheiro (Lc 16,13). Mesmo assim, há cristãos que seguem a proposta do mundo. A s

Ver completo

A Dimensão Social do Dízimo consiste no serviço prestado pela comunidade aos empobrecidos. A comunidade pode se colocar a favor dos empobrecidos de várias formas: defendendo os seus direitos, promovendo campanhas de conscientização, fazendo reuniões/e

Ver completo

Os católicos são obrigados a pagar o dízimo, no sentido estrito do termo? Ou seja, devem dar 10% de seus rendimentos à Igreja? Essa pergunta se faz necessária porque é cada vez mais frequente ouvir, dentro da Igreja, um eco da pregação protesta

Ver completo

No texto de Mateus 15,29-39, é apresentada a preferên­cia de Jesus pelos pobres, enquanto Herodes prefere cear com os ricos e poderosos. Há, contudo, uma diferença entre os dois banquetes: enquanto Herodes celebra o banquete da morte com seus convivas, Jesus faz o banq

Ver completo