Dízimo

Certamente muitos já observaram uma larga mudança do comportamento jovem. Encontramos um percentual grande de jovens, “na casa dos trinta anos”, que ainda vivem dependentes dos pais. Na verdade, eles não dependem, mas, talvez, não atinaram para a importância do compromisso que devem assumir, ainda que com despesas irrisórias.

É importante para o jovem poder contribuir no orçamento da família, assumindo uma responsabilidade e conquistando assim, uma maturidade diante dos seus. O que, às vezes, pode parecer pouco, como uma feira, uma despesa de açougue, uma conta de telefone... torna-se grande, sobretudo enquanto compromisso e fidelidade.

Também na dimensão do dízimo acontece assim. Poucos jovens acordaram para sua importante ajuda à vida eclesial. Se fizéssemos um levantamento, seria triste. Mas por quê? Talvez, por crerem que seu comprometimento não seja importante ou porque relegam aos pais mais essa obrigação. Mas nossos jovens têm muito a contribuir... Jesus no evangelho de São Mateus (19,16ss) e também nos outros sinóticos é interpelado por um jovem rico que desejava fazer mais que observar os mandamentos... e esse “algo mais” éremetido aos bens que possuía e que não partilhava. “E o jovem foi embora triste, porque era muito rico”...De fato, a experiência do jovem rico é assombrada por um vazio que seria preenchido com seu compromisso fiel de partilhar.

E aqui podemos nos questionar sobre o quanto poderíamos crescer com a experiência do dízimo. Sabemos que nossa juventude é responsável, trabalha, estuda. Mas hoje é desafiada a partilhar o que tem. Seja um membro efetivo da comunidade cristã, pague seu dízimo fielmente, ainda que ele possa parecer pouco. Não tenha medo! Partilhe e viva essa alegria!

 

 Padre Henrique Evangelista de Oliveira,CP 

Postagens relacionadas

Deve-se ofertar a Deus o que mandar o nosso coração e o que a nossa consciência falar. O Apóstolo Paulo assim escreve: Dê cada um conforme o impulso de seu coração, sem tristeza nem constrangimento. Deus ama a quem dá com alegria (2 Cor 9,7). Os

Ver completo

A primeira vez que aparece a palavra Dízimo na Bíblia é mais ou menos pelo ano 1800 antes de Jesus nascer. Deus escolhe um homem de nome Abraão e sua mulher Sara, para deste casal começar a preparar um povo mais unido entre si e com Deus. Abraão aceitou o co

Ver completo

Para ofertar o dízimo, certamente não precisaremos pedir em troca céus e terra. São Paulo ensina: “Sabemos que tudo contribui para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu desígnio” (Rm 8,28). Quando somos promotore

Ver completo

Vivemos numa sociedade em que o dinheiro e o lucro ocupam o lugar de Deus e das pessoas. Jesus Cristo adverte-nos que é impossível servir a dois senhores, adorando ao mesmo tempo a Deus e ao dinheiro (Lc 16,13). Mesmo assim, há cristãos que seguem a proposta do mundo. A s

Ver completo

A Dimensão Social do Dízimo consiste no serviço prestado pela comunidade aos empobrecidos. A comunidade pode se colocar a favor dos empobrecidos de várias formas: defendendo os seus direitos, promovendo campanhas de conscientização, fazendo reuniões/e

Ver completo

Os católicos são obrigados a pagar o dízimo, no sentido estrito do termo? Ou seja, devem dar 10% de seus rendimentos à Igreja? Essa pergunta se faz necessária porque é cada vez mais frequente ouvir, dentro da Igreja, um eco da pregação protesta

Ver completo

No texto de Mateus 15,29-39, é apresentada a preferên­cia de Jesus pelos pobres, enquanto Herodes prefere cear com os ricos e poderosos. Há, contudo, uma diferença entre os dois banquetes: enquanto Herodes celebra o banquete da morte com seus convivas, Jesus faz o banq

Ver completo